FRASE:

FRASE:

"Se deres um peixe a um homem, vais alimenta-lo por um dia; se o ensinares a pescar, vais alimenta-lo a vida toda."

(Lao-Tsé, filósofo chinês do séc. IV a.c.)

quinta-feira, 6 de março de 2014

HISTÓRIA: 1939 - A GUERRA NO NOSSO QUINTAL

No ano de 1939, as atribulações pelas quais passava a Europa pareciam distantes demais para preocupar o cidadão comum que habitava o cone sul do continente americano.
No Brasil, só os imigrantes alemães e seus descendentes concentrados no sul do país acompanhavam (muitos torcendo a favor) a escalada do seu país de origem.
Imigrantes judeus, que já sabiam que tipo de coisas estavam acontecendo na Alemanha, torciam contra e tentavam inutilmente alertar os paisanos...
A Alemanha emergiu da fome, da humilhação e da crise em que fora mergulhada pelos tratados impostos pelos vencedores da I Guerra Mundial para despontar como uma das nações mais prósperas e poderosas da Europa. Depois de usar diversos expedientes para esconder da fiscalização da Liga das Nações a reconstrução do seu aparato bélico, a nação se sentiu forte o suficiente para renegar publicamente as limitações dos tratados.
A voz irada de Adolf Hitler, em discursos inflamados, proclamava que a Alemanha não mais abriria mão de se armar e partir atrás do que considerava seu. Os líderes das outras nações vizinhas se limitavam a declarações tímidas, que só revelavam cada vez mais seu medo de confrontar o falastrão líder nazista do Reich Alemão.

12 de março de 1938 - Guardas alemães e austríacos removem alegremente as barreiras de um posto de fronteira: a Áustria foi anexada, e agora faz parte da grande Reich alemão, sob a liderança de um austríaco.

Em 1938, já ocorrera a consentida anexação da Áustria, e o regime nazista bradava ameaças contra as nações vizinhas. Não demorou para que, em 1º de setembro de 1939, as tropas alemãs cruzassem a fronteira da Polônia, reclamando terras que eles sempre consideraram suas e onde já havia uma comunidade alemã residente. O que a princípio parecia um incidente de fronteira seria, na verdade, o estopim da 2ª Guerra Mundial.
Mesmo assim, as notícias ainda pareciam distantes, até que, inesperadamente, a guerra passou rente à nossa porta, mostrando que o mundo estava ficando pequeno para os guerreiros europeus!
Subitamente, os brasileiros, argentinos e uruguaios ficaram surpresos ao saber que a primeira batalha naval da guerra estava acontecendo diante da costa sul-americana!
Nos dias que se seguiram, a população destes países acompanhou uma série de disputas e negociações envolvendo um navio de guerra alemão, encurralado nas águas territoriais do neutro Uruguai, diante do porto de Montevidéo, enquanto dois cruzadores ingleses aguardavam sua saída, como cães de caça postados na foz do estuário do Prata.
Os navios em questão eram o encouraçado alemão Admiral Graf Spee, comandado pelo capitão de mar-e-guerra Hans Langsdorff, e os cruzadores britânicos HMS Ajax e HMNZS Achiles, sob o comando do comodoro Henry Harwood. No decorrer da batalha, um terceiro cruzador, o HMS Exeter, se retirara do combate devido aos danos e baixas sofridas.
Entretanto, diversos outros navios britânicos já se aproximavam para fechar o cerco.

Admiral Graf Spee, "o tigre dos mares": como um tubarão vagando pelo Atlântico Sul, causou estragos na frota mercante inglesa e mobilizou grande parte da esquadra britânica somente para caça-lo.

Quando eu tinha seis ou sete anos, meu pai leu para mim e para minha mãe a reportagem de uma revista com uma narrativa detalhada daquele fato que eles (meus pais) e meus irmãos mais velhos tinham ouvido falar durante a guerra (eu nasci depois do fim do conflito).
Mas fiquei sabendo que na época, a batalha provocara apreensão no sul do país, pois se os alemães podiam chegar tão perto, talvez também pudessem desembarcar tropas em nosso país (apesar de que o Brasil ainda era neutro)!
Da mesma forma que fiz com a guerra submarina envolvendo navios e aviões brasileiros, pretendo resgatar os acontecimentos que marcaram esta batalha, ocorrida em um cenário inusitado do Atlântico Sul e que teve seu dramático desfecho diante da emocionada cidade de Montevidéo.
Nos próximos dois posts, eu pretendo contar um resumo em duas etapas da história da Batalha do Rio da Prata (Battle of River Plate), como ficou conhecido o confronto nos anais da marinha inglesa.

6 comentários:

  1. OI LEONEL!
    LEGAL.
    ESTE É UM PERÍODO NEGRO DA HISTÓRIA MUNDIAL, MAS, QUANDO AS PRETENSÕES DE UM LOUCO, HITLER, LEVARAM TANTOS INOCENTES À MORTE.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Uma combinação de diversas situações tornou isto possível...
      Quando fazemos escolhas erradas, mesmo com boas intenções, temos um preço a pagar!
      E mesmo os povos mais bem informados às vezes fazem escolhas erradas!
      Abraços, Zilani!

      Excluir
  2. É amigo Leonel, existem escolhas e resultados.
    Grande abraço e obrigado pela visita ao blog.
    Saúde, trabalho e paz interior.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Grato pela sua visita, Milton!
      Abraços!

      Excluir
  3. Sem verificação... ozói cansá duvéi gradece!

    Abração.

    ResponderExcluir