FRASE:

FRASE:

"Se deres um peixe a um homem, vais alimenta-lo por um dia; se o ensinares a pescar, vais alimenta-lo a vida toda."

(Lao-Tsé, filósofo chinês do séc. IV a.c.)

sábado, 6 de agosto de 2011

THOR HEYERDAHL E A EXPEDIÇÃO KON-TIKI

O primeiro livro que eu li na minha vida na realidade era uma condensação, um resumo do livro, publicado pela revista Seleções do Reader's Digest. Porém, foi o suficiente para prender minha atenção e me despertar para um universo de coisas que ficavam além dos limites do quintal da casinha onde eu morava. Alguns anos mais tarde, eu pude adquirir a versão completa do livro, que foi devorado com o mesmo apetite com que fora o resumo.
A referida obra chamava-se A EXPEDIÇÃO KON-TIKI (Ed. Melhoramentos, 1951), de Thor Heyerdahl, pesquisador norueguês. Thor foi o primeiro “super-herói” real que eu admirei.
Logo nas primeiras linhas, fiquei fascinado por suas teorias sobre a migração dos povos sulamericanos e polinésios.


A equipagem da Kon-Tiki. Da esquerda para a direita: Knut Haugland, Bengt Danielsson, Thor Heyerdahl, Erik Hesselberg, Torstein Raaby e Hermann Hatzinger.
Com exceção do sueco Danielsson, todos eram noruegueses. 

Após estudar as tradições destes povos, ele achou coincidências que pareciam indicar que a história de uns começava onde a de outras dera uma reviravolta. Haviam muitos indícios de que as tradições polinésias começavam como uma continuação de uma migração para o oeste de antigas tribos incas.
E o ponto de união era o personagem Kon-Tiki, um lendário chefe que liderara a migração partindo da costa oeste da América do Sul e que também aparecia nas tradições polinésias como o pioneiro que viera do sol nascente para fundar as primeiras povoações nas ilhas do sul do Pacífico.

Representação tradicional de Kon-Tiki ou Viracocha: uma figura como esta foi estampada na vela da jangada.

Tudo começara na década de 30, quando Thor e sua esposa Liv, em lua de mel, estavam na ilha de Fatu Hiva, no arquipélago das Marquesas, no Pacífico Sul. Só que sua “lua de mel” já durava mais de um ano, e se fundira com uma viagem de estudos!
Eles eram os únicos brancos na ilha e moravam em uma cabana à beira-mar construída por eles mesmos. Comiam apenas frutas, peixe e frutos do mar que eles próprios apanhavam.Uma espécie de pré-hippies!
Lá, numa noite, naquela atmosfera de sonho tropical, eles conversaram sobre uma coisa intrigante: Liv não entendia porque as ondas batiam forte sempre em apenas um dos lados da ilha, enquanto no outro o mar ficava calmo. O estudioso Thor explicou que as correntes marítimas predominantes naquele local vinham no sentido leste-oeste, e por isto o lado leste era sempre batido pelas ondas.
Nesta mesma ilha, um velho chefe nativo, que ele nunca esqueceria, lhe falou que Kon-Tiki, o pai fundador de sua tribo, viera de terras distantes do outro lado do mar, da direção do sol nascente. Thor não deixou de lembrar que na Ilha de Páscoa, que fica no caminho entre o continente americano e a Polinésia, havia monumentos de pedra que lembravam outros existentes na América do Sul.
No Peru, ele havia descoberto que o nome original do rei-sol dos incas, Viracocha, era KON-TIKI ou ILA-TIKI. E que esse rei, depois de atacado e derrotado por outro chefe, chamado Cari, numa batalha em uma ilha do lago Titicaca, fugiu com os sobreviventes para o mar, rumando para o ocidente.

A Kon-Tiki: apenas uma palhoça sobre troncos de balsa para cruzar o Pacífico e comprovar a possibilidade de uma teoria. Bandeiras dos países envolvidos foram hasteadas nos mastros.

Nos anos 30, havia teorias variadas, tentando explicar o povoamento da Polinésia como resultado de migrações originárias da Ásia, da África e até da Europa.
A hipótese sulamericana não constava nas explicações ensinadas nas escolas sobre a povoação dos continentes. E como Thor não era membro de nenhum grupo dominante nas academias de ciência, os eruditos não levavam a sério suas teorias.
E o principal óbice que lhe lançavam no rosto era a impossibilidade de atravessar o imenso Oceano Pacífico, já que não havia nenhum registro de que os sulamericanos possuissem embarcações oceânicas, nem habilidades como navegadores marítimos.
E foi daí que o determinado Thor, que apesar de vir da terra dos vikings, fora criado nas montanhas do interior e jamais se aventurara a navegar no mar, resolveu fazer algo muito ousado.

Thor Heyerdahl - (6-out-1914 - 18-abr-2002)

Ele já havia pesquisado sobre um tipo de embarcação primitiva sulamericana, uma jangada feita com troncos de balsa, madeira muito leve e fácil de entalhar.
E sua proposta foi essa: construir com materiais naturais uma jangada típica da época dos incas e tentar chegar à Polinésia navegando à vela, e pegando carona nas correntes marítimas que levam para o oeste!
Com financiamento obtido através de empréstimos e doações particulares de amigos militares do exército americano, a jangada foi construída,  com licença do governo peruano, medindo aproximadamente 13,70 X 5,50 m, com uma cabana-abrigo de 4,20 X 2,40 m no centro.
A ideia era simular o mais que possível as condições originais, mas a contragosto, outro participante da tripulação o convenceu a levarem um aparelho de rádio transmissor-receptor. 

 O roteiro da Kon-Tiki através do Pacífico.
 
E, no dia 28 de abril de 1947, levando Thor e outros cinco tripulantes voluntários, a jangada partiu do porto de Callao, no Peru, para a “impossível” jornada.
Lembrando a Enterprise de Star Trek, “se aventurando audaciosamente onde homem nenhum jamais esteve”! Claro que não era essa a opinião de Thor Heyerdahl ! Para ele, tudo o que faziam era repetir o mesmo caminho de Kon-tiki. Por isto mesmo,  a jangada foi batizada com o nome do navegador que ele acreditava ser o pioneiro.
Após muitas dificuldades, eles aprenderam alguns macetes, como pilotar a jangada com o auxílio de quilhas corrediças ao invés do leme, cavalgando as correntes de Humdbolt e Equatorial, através do maior dos oceanos.
E, no dia 7 de agosto de 1947, após 101 dias de travessia e tendo percorrido 7.964 km, a Kon-Tiki encalhou nos recifes da desabitada ilhota de Raroia, no arquipélago Toamotu!

 No final, o paraíso...Nesta paisagem de sonho, nas Ilhas Tuamotu, Thor Heyerdahl e sua equipagem encalharam a Kon-Tiki em 07 de agosto de 1947, após atravessarem o Pacífico Sul, numa jornada de quase 8.000 km.

Com 8 anos, senti a emoção tomar conta de mim, enquanto lia as páginas finais...
Eu tenho o livro encadernado até hoje, assim como um filme documentário sobre a viagem.
Thor não parou por aí e continuou pesquisando novas hipóteses, desta vez propondo que a população das américas poderia ter vindo do Egito através do Atlântico. Construiu um barco estilo egípcio em papiro, o Ra (nome do deus-sol egípcio), para atravessar o Atlântico, partindo de Marrocos. O barco teve problemas e naufragou, mas ele mudou o método de construção e fez outra tentativa com o Ra II, com o qual conseguiu chegar em Barbados, no Caribe.

 O Ra II no Kon-Tiki Museum, em Oslo, Noruega. Para acessar o site do museu, clique no link: http://www.kon-tiki.no/e_aapning.php

Esta viagem rendeu outro livro e um filme. Ele fez outras expedições à ilha de Páscoa, aos Galápagos e ao Oriente Médio.
Em Oslo ficam o Kon-Tiki Museum e a Thor Heyerdahl Research Foundation. Thor escreveu 15 livros sobre as suas teorias, viagens e expedições. O livro sobre a expedição Kon-Tiki foi traduzido em mais de 70 línguas e vendeu mais de 50 milhões de exemplares!
Há poucos anos, li um dos seus últimos livros, NA TRILHA DE ADÃO (Editora Schwarcz, 2000 – original: Adams Fotspot, 1998), uma autobiografia onde ele fala inclusive sobre sua atuação na II Guerra Mundial, e na luta para defender suas teorias sobre as migrações.

Thor Heyerdahl faleceu em 18 de abril de 2002, na Itália, aos 87 anos.
Mas, seu nome vaga pelo espaço, entre Marte e Júpiter: o asteroide 2473 foi batizado Heyerdahl, em sua homenagem.

29 comentários:

  1. Estava com saudades do meu amigo!
    Por isso que vim trazer meu abraço...
    Bjsssssssssssssssssssssssssss

    ResponderExcluir
  2. Há pessoas que se impõem à nossa admiração pela tenacidade, perseverança e fé com que abraçam suas convicções, e pela coragem e capacidade de lutarem contra as opiniões estabelecidas não com argumentos retóricos, mas com realizações práticas irrefutáveis. Thor Heyerdahl foi um destes.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  3. Leonel,
    Por acaso também li em "Seleções" a condensação do livro de Thor e fiquei maravilhado com a aventura. Confesso que era muito ingênuo para perceber as implicações fantásticas decorrentes da aventura dele. Só mais tarde percebi o que ele queria demonstrar. Agora vem você e faz uma brilhante síntese da obra e da vida do aventureiro e nos brinda com esse excelente texto, parabéns. Abraços, JAIR.

    ResponderExcluir
  4. Muito bom!
    Através de seu modo de demonstrar aventuras, descobrimentos e conquistas do passado eu aprendo e leio com tamanha calma para entender bem, rsrs

    Voce indicou um link onde poderia ver o museu, e neste link havia uma foto de um homem e ao clicar entrou no you tube onde havia cada capitulo desta aventura parte 1 a 5 e eu agora estou dando uma olhada, mas infelizmente estão falando em inglês.
    Provavelmente você já deu uma olhada, mas mesmo assim deixo o link aqui, rsrsrs Assim sua obra de arte escrita fica ainda mais completa, sabendo que eu cheguei até ali através de você, rsrs
    http://www.youtube.com/watch?v=L56LAa4ur3w&feature=related
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Severa, prazer em te ver por aqui! Sempre és benvinda!

    Barcellos, você sintetisou com poucas palavras o perfil desse desbravador, para mim, o último dos vikings!Eu até pensei em dar o título: "Thor: O Último Viking". Mas, optei por um menos dramático e mais elucidativo.

    Jair,parece que algmas das nossas experiências de infância foram parecidas, daí a afinidade que temos!

    Aymée, no link que eu dei está o site do Museu.
    E neste site tem na parte de baixo, 3 fotos: o filho de Heyerdahl, Thor Jr., a jangada, com a legenda:"Kon-Tiki color film from 1947", e por último o próprio Thor.
    Clicando na jangada, você chegou no filme-documentário sobre a expedição. Eu tenho esse filme completo em XviD (ganhou o Oscar de documentário em 1951)!É falado originalmente em norueguês, e as narrativas de Thor são dubladas em inglês.

    Abraços a todos vocês!

    ResponderExcluir
  6. nossa, uma viagem cultural, rica em informações, se não nos passa essas riquezas, até morrerei sem saber dos fatos, obrigada Leo, pela sua contribuição informativa, me ajuda muito, sem dizer que a imagem da ilha é paradisíaca, eu quem queria estar nesta expedição.
    Bjs e bom fim de semana.
    Adriana

    ResponderExcluir
  7. Muito legal estas aventuras de THOR HEYERDAHL E A EXPEDIÇÃO KON-TIKI....eu nem conhecia. Hoje os heróis estão em falta, os que devem existir, não tem mais a capacidade de fascinar os jovens e mem os mesmos encantos dos heróis e personagens de tempos anteriores. As grandes biografias educam e dão exemplo.
    Percebo que literatura, filmes de TV, revistas e outros....empobrecem junto com a perca de valores da humanidade....Uma pena!
    Muito legal tudo isso!!
    Obrigada pela dica sobre cuidados nas lan houses. Fui ontem em 2, mas a velocidade de 1 mega (imagina!!) me impediu de colocar a correspondência em dia. Tenho paiciência não!! Aqui em casa são 5 megas e quero mudar para 10, assim que esriver disponível. Acabei chamando um tecnico e a internet voltou como mágica, 5 minutos antes de ele chegar....kkkk...ele cobrou 70 reais pela visita e configurou o computador do escritório e disse que tenho 6 meses de garantia. O que foi bom até..kkk.
    Depois volto para falar mais....
    Beijos,
    Carla

    ResponderExcluir
  8. Caro amigo Leonel!
    Aqui eu sempre encontro leitura que me fascina! Antes de eu ter Internet era assinante da revista Seleções do Reader's Digest. Foi através desta, revista que durante 15 anos, contribuiu para os meus conhecimentos.

    Um abraço e lhe desejo um bom Domingo.

    ResponderExcluir
  9. As pessoas que correm atrás dos seus sonhos tornam-se interessantes e vivem com mais verdade e vontade.
    Uma revista que gosto muito é a Seleções Leonel. Até hoje compramos aqui em casa.
    Beijos e bom domingo!
    Carla

    ResponderExcluir
  10. Eles entendem a gente, a gente é que não entende os animais...kkkk

    ResponderExcluir
  11. Gosto disso, de conhecer novas histórias, heróis, os quais pensei ser artigo em absoluta extensão, conhecê-los a partir do seu olhar, curiosidade e sapiência.

    Grande sujeito esse Thor Heyerdahl.

    Beijo, Leonel.

    ResponderExcluir
  12. Bom dia Leonel e ótima semana!
    Ainda ontem meu irmão no telefone me disse uma frase. Não lembro-me de quem. Mas diz que: "Somos mais códicos indecifráveis do que eg0o pensante".
    Carla

    ResponderExcluir
  13. obrigada querido, pelo carinho; por seu comentário e por seguir o blog, estará concorrendo dia 10 próximo, a um dos nossos livros, beijos e boa sorte.

    ResponderExcluir
  14. Uma palavra pode mudar tudo mesmo Leonel. Consertar, atrapalhar, começar e terminar...
    Bom dia com alegria!
    Carla

    ResponderExcluir
  15. Meu querido amigo que leitura gostosa. Essas pessoas que movem o mundo e muitas vezes estão além do seu tempo assim cosideradss de "loucos".
    Precisamos de mais loucos pela humanidade, pelo estudo , pelo conhecimento.Lembrei do navegador solitário que admiro e amo ler : Amir Klink .
    Abraços criativos

    ResponderExcluir
  16. Neste universo virtual precisava de uma poetisa feiticeira...ainda bem que vc encontrou,rsrsrsrsrs,cuida bem dela que ela é uma feiticeira e tanto,rsrsrsrsrs,brincadeirinha meu amigo...mas amo quando me visitas...
    Bjs de bom dia!

    ResponderExcluir
  17. Olá. Tudo blz? Estive aqui dando uma olhada. Muito interessante. Gostei. Apareça por lá. Abraços.

    ResponderExcluir
  18. Não conhecia. Aliás, já disse e repito: aprendo demais aqui com você e agradeço!
    Beijuuss, amigo, n.a.

    ResponderExcluir
  19. Leonelllll,
    adorooo essas coisas antigas, adorei esse post, sou meu=io saudosa sabe, e vc tem razão...ultimamente a seleção ''não joga'' tbm...masss fazer o que.
    Olha lindão vim agradecer a visita e divulgar meu novo blog. Continuarei com o Infinito mas tbm estou agora com uma parceria no MULHERES MODERNAS E NENHUM SEGREDO. http://elasmodernas.blogspot.com/

    Será ótimo ter um apoio masculino por lá, conto com vc. beijocas

    ResponderExcluir
  20. PESSOAS ASSIM, DEIXAM UMA MARCA DE OUSADIA EM NÓS.
    IMAGINO QUE TENHA SIDO UM IMPULSO PARA VOCE DESBRAVAR O SEU MUNDO.
    OBRIGADA POR COMPARTILHAR!

    ResponderExcluir
  21. Olá meu querido Leo,

    Vim lhe dar os parabéns, por participar de meu blog, e você foi um dos contemplados do nosso sorteio com o livro Entre a vingança e o futuro – João Bernardo ; peço que entre em contato comigo pelo email adrianavargas.ocadv@hotmail.com, num prazo de três dias, para me passar os seus dados para o envio da obra. Caso, dentro deste prazo, não houver pronunciamento, irá se realizar um novo sorteio.
    Parabéns e continua com a gente!

    ResponderExcluir
  22. Amigo uma boa tarde!
    Obrigada por fazer parte do que penso e escrevo e gosto!
    :D
    Carla

    ResponderExcluir
  23. Oi meu querido amigo Leonel!
    Cada vez que leio os seus textos, mais eu sinto o quanto é importante, para mim, saber lêr! Adoro o que vc escolheu para nos dar! Leio tudo o que escreve, embora por vezes não tenha tempo para comentar.
    A Revista das Selecções do Reader's já sou assinante desde 1982. Até hoje eu recebo e é um grande passa tempo para meu pai que também gosta de ler o que ela nos dá a conhecer, pois não haja dúvida... é um grande orgão de aprendizaem pra vida!



    Um grande abraço fraternal.

    ResponderExcluir
  24. Amigo boa noite tomando café, meu vício!
    Beijos,
    Carla

    ResponderExcluir
  25. Leonel amo esse livro! Bela lembrança para um post meu, também tenho o volume completo. Esse livro também foi inspiração para o Amir Klink segundo uma de suas entrevistas.
    abs
    Jussara

    ResponderExcluir
  26. Adriana, eu também queria muito estar nessa expedição, principalmente quando a li pela primeira vez, com 8 anos! Eu colocava uma vassoura empinada em uma velha escada de madeira, deitada, e fazia de conta que era a Kon-Tiki!

    Carla, hoje é cada vez mais difícil de se ver pessoas como Thor Heyerdahl e expedições como aquela! Eu ainda assino Seleções. Obrigado por todos os seus comentários carinhosos!

    José, nosso hábito de leitura é mais uma coisa que temos em comum, meu irmão ultramarino! Mas, tu também estás contando uma emocionante história no teu blog TRANSPONDO BARREIRAS!

    Milene, fico feliz por você ter gostado. Uma pessoa determinada sempre me desperta admiração! Como você, por exemplo!

    Mariza, bem lembrado: eu também tenho CEM DIAS ENTRE CÉU E MAR e PARATII ENTRE DOIS POLOS, do nosso desbravador Amyr Klink, duas obras igualmente excelentes para quem gosta de aventuras verdadeiras!

    Severa, escritora-poetisa (e feiticeira), o prazer é todo meu em te receber no meu cantinho!

    Rolando (Um brasileiro), sejas benvindo! Já estive te visitando e vi muita coisa boa! Voltarei!

    Regina, Thor Heyerdahl ! Thor, Regina Rozenbaum! Estão apresentados! Hehehehe! Sempre um prazer te ver por aqui, e de bom astral!

    Dri, obrigado pela sua visita! Já estou seguindo e espionando o teu “clube da Luluzinha”!

    Si, um prazer te ver na minha choupana! Realmente, essa aventura despertou na mnha cabeça de menino uma vontade de desbravar esses mundos além do meu quintal...

    Adriana, fico muito feliz com a premiação! Já te enviei os dados! Muito Obrigado!

    Jussara, sejas benvinda! Interessante essa declaração do Amyr Klink, que também protagonizou grandes feitos! Como já falei acima, também li e possuo dois livros dele, sobre sua travessia do Atlântico e sua jornada nos polos sul e norte!

    Amigos, abraços a todos vocês, que fazem essa atividade ser gratificante!

    ResponderExcluir
  27. Eri Tonietti Bellanca3 de outubro de 2012 11:54

    Caros amigos. Thor Heyerdahl foi um verdadeiro antropólogo pois comprovou suas teorias executando as viagens que descrevia. Hoje em dia não se cita Thor como bibliografia, nas academias. Isso demonstra uma inveja frustrada de quem produz "conhecimento" nessas academias. Thor foi um modelo para grandes navegadores como Amyr Klink e outros que sonhavam em fazer uma aventura como a do Kon-Tiki. Quando Thor faleceu deveria ter sido homenageado e lembrado, mas nada disso aconteceu demonstrando o quanto as sociedades antropológicas são medíocres. Proponho que seja fundado um dia em homenagem a Thor, Kon-Tiki e RA. Abraço a todos. Eri Tonietti Bellanca. Porto Alegre, RS, Brasil

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eri, a ciência acadêmica é uma espécie de clubinho fechado, onde alguns são admitidos e outros expurgados como apócrifos!
      Pessoas como Thor Heyerdahl, mesmo tendo comprovado da maneira mais cabal as possibilidades de suas teorias, não foram admitidas!
      Talvez, anos mais tarde, quando alguém do "clubinho" acordar para suas teorias, ele seja lembrado, como Nicolai Tesla, Erik Von Daniken e outros que de uma forma ou de outra foram condenados ao ostracismo, por se oporem às conclusões tradicionais.
      Obrigado pela visita!
      Dê uma olhada no meu arquivo! Temos outros artigos que talvez lhe interessem!
      Abraços!

      Excluir