FRASE:

FRASE:

"Se deres um peixe a um homem, vais alimenta-lo por um dia; se o ensinares a pescar, vais alimenta-lo a vida toda."

(Lao-Tsé, filósofo chinês do séc. IV a.c.)

terça-feira, 6 de março de 2012

FILME: OS CAVALEIROS DO AR

Tudo o que Ases Indomáveis (Top Gun) ficou devendo aos fãs da aviação, Os Cavaleiros do Ar (Les Chevaliers du Ciel – França – 2005 – 102 min. - Cor) nos dá: uma trama bem urdida, ação pra valer, um romance caliente, e cenas aéreas espetaculares e bem feitas!
A direção é de Gérard Pirès, e o script de Gilles Malençon.
Foi produzido pelo trio Eric e Nicolas Altmeyer e Christopher Granier-Deferre e distribuído pela Pathé.
O nome do filme em francês é o mesmo de uma série produzida para TV francesa nos anos 60, esta por sua vez baseada nos quadrinhos belgo-franceses Les Aventures de Tanguy et Laverdure, de Jean-Michel Charlier & Albert Uderzo, publicados de 1959 a 1971. As histórias narravam as aventuras de dois jovens cadetes da Airmée de L'Air
(Força Aérea Francesa), Michel Tanguy e Ernest Laverdure.

Capa do gibi original, e os protagonistas, Ernest Laverdure (e) e Michel Tanguy (d).

Mas, apesar de inspirado na série, o filme se passa na época atual, e os protagonistas são os capitães da Armée de L'Air Antoine Marchelli, codinome "Walk'n" (Benoit Magimel) e Sébastien Vallois, codinome "Fahrenheit" (Clovis Cornillac), ambos pilotos de aeronaves de caça Mirage 2000(*).
Eles participam de um programa de intercâmbio com duas jovens pilotos da Força Aérea Americana, as capitãs Estelle Kass, codinome “Pitbull” (Alice Taglioni) e Leslie Hedget, codinome “Stardust” (Rey Reyes), que também pilotam os caças franceses.

 Os amigos Vallois (Clovis Cornillac) e Marchelli (Benoit Magimel) se veem envolvidos em uma trama onde se misturam interesses comerciais, espionagem e terrorismo.

Acionados em uma missão de intercepção, eles se veem às voltas com um avião do mesmo tipo que o deles, cujo piloto age de modo estranho e ignora o controle de terra.
Em uma rápida escaramuça, o misterioso piloto ameaça atingir a aeronave de Vallois com um dos seus mísseis, e acaba sendo destruído pelos canhões do caça de Marchelli, que atira para defender seu colega de esquadrilha.
Marchelli parece ter feito a coisa certa e é até elogiado por isto, mas subitamente, o mundo desaba sobre ele e seu ala!
Uma comissão governamental de alto nível aparece na base para investigar a ocorrência, e a carreira de Marchelli e Vallois fica sob ameaça, pois eles são acusados de ter deliberadamente abatido uma aeronave em missão secreta, sem estarem autorizados para isto! 

Em pouco tempo, eles passam da condição de heróis a vilões, tendo que se defender de evidências contra eles que aparecem estranhamente plantadas na investigação!
Os pilotos sofrem pressões da chefe da comissão, a bela executiva Maelle Coste (Géraldine Paillas), que propõe um acordo, arquivando todas as acusações, desde que eles concordem em participar de um programa secreto do governo, mas eles se recusam, sendo em represália excluídos da Força Aérea.
Mas, uma densa trama, envolvendo espionagem internacional, competição entre fabricantes de aviões militares e terrorismo está em curso, e Marchelli e seu colega Vallois acabam cedendo e participando de uma competição internacional que pode render um bilionário contrato para a França.

Marchelli (Magimel) num enorme dilema: escolher entre sua colega e rival, a americana "Pitbull" Kass (Alice Taglioni) e a compatriota que quase acabou com sua carreira, a executiva Maelle (Géraldine Paillas).

Além disso, Marchelli acaba também seduzido pela chefona Maelle, o que realmente influência nas suas decisões!
Porém, mais uma vez nada é o que parece, e eles acabam percebendo que serviram de isca para descobrir o planejamento de uma ação terrorista a ser efetivada em território francês, justo no dia do desfile de 14 de julho, aniversário da Queda da Bastilha.
O desenrolar da trama os leva até ao Oriente Médio, onde enfrentam um grupo de mercenários, que contavam com a colaboração de um elemento bem próximo a eles!
Um filme bem temperado para servir como diversão garantida, numa mistura bem equilibrada de ação, romance e bom humor, à moda francesa.
Se Top Gun foi um hamburger tipo "junk food", Os Cavaleiros do Ar é uma refeição francesa, com entrada, prato principal e sobremesa, preparada por um chef bem competente!

As tomadas aéreas são simplesmente espetaculares!
 
Cenas aéreas de arrepiar, com aviões Mirage 2000, Dornier Alpha Jet, Boeing KC-135FR Stratotanker e Boeing E-3F Sentry (AWACS), além de aeronaves comerciais e de transporte militar.
Consta que não foi feito uso de computação gráfica, o que só aumenta o mérito das magníficas tomadas aéreas, feitas com cameras montadas em autênticos caças Mirage e em alguns casos, a bordo de um jato Lear Jet.
Este filme não foi lançado nos cinemas brasileiros, e adquiri-lo em DVD pode não ser uma tarefa fácil, pois esgotou-se na maioria das lojas. Algumas boas locadoras ainda o possuem.

(*) - A FAB utiliza atualmente um esquadrão equipado com caças Mirage 2000, adquiridos já usados da França em 2005, que juntamente com outros caças tipo Northrop F-5M Tiger II, constituem a única arma aérea defensiva do Brasil, enquanto nossos pilotos aguardam o fim da triste novela protagonizada pelo governo brasileiro para a aquisição de uma nova aeronave defensiva.
 

17 comentários:

  1. Bom Leonel, um dia vou te explicar o que Top Gun realmente é, aí você vai ver que ele não tem base de comparação pra nenhum filme com aviões, talvez com Brockback Mountain mesmo sem ser no meio do mato mais enfim, abração Leonel e esse tá na minha lista de filmes já.

    ResponderExcluir
  2. Leonel...só vim aqui saber de ti*, estou aflita e vi a atualização,eu estou partindo pra uma viagem e ficarei ausente, mas queria uma visita tua, estou mal.
    Beijo, ador cinema, e verei se consigo ver "Os cavaleiros do Ar", pela tua descrição é um filmaço.
    Até, voltarei.

    ResponderExcluir
  3. Saudações colega Leonel, não conhecia este longa, e lendo seu post fiquei muito interessado. Vou procurar nas locadoras por aqui. Valeu pela dica!
    Abraços, saúde, altos vôos e muita paz interior!

    =D

    ResponderExcluir
  4. Leonel,
    Em primeiro lugar devo confessar meu completo desconhecimento tanto do filme, cuja sinopse aqui foi magistralmente servida de bandeja por você, como a HQ. Mas, me chamou atenção o autor da HQ, Albert Uderzo, o mesmo que junto com Goscinny, criou a genial HQ "Asterix" as quais tenho a coleção completa (não empresto, não adiante pedir). Abraços e parabéns pela postagem, JAIR.

    ResponderExcluir
  5. LeÔnidas meu amigo....

    A trama é bem parecida com fatos que ocorrem no trânsito de Sumpa.. rss Tirando a parte do romance.... hehehee

    Gostei da dica, e se posso aludir de minhas experiencias aéreas, digo que:-
    -Fiz uma filmagem para um amigo para-quedista ( + - em 1980 ), voando num daqueles mono-motores "treme-treme" .. rss onde eu me posicionava sentado ( sem o banco do passageiro dianteiro ), de costas com o painel e um cinto meio que adaptado pra me segurar... Ali fiz varias tomadas do maluco e com as manobras do avião eu juro que foi uma das maiores aventuras da minha vida. GZuis amado !!! rss

    Tentarei assistir essa tua dica... pelas manobras, uauu!!!
    Abraços amigão
    Tatto/Xipan

    ResponderExcluir
  6. Já assisti "A Origem"... duas vezes. Esse está anotado. Tá na lista.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Leonel você antecipa aqui um interessante filme que parece ter de tudo um pouco. Até o nome é bonito. Sábado vou encomendar Os Cavaleiros do Ar.
    Espero que os enganchos da blogger estejam já solucionados.
    Boa tarde!

    ResponderExcluir
  8. Leonel, não assisti, e nem conhecia esse filme.
    Estarei anotando e assim que for possivel, estarei assistindo.
    Obrigada pela dica, parece excente o filme.
    Um grande abraço amigo!

    ResponderExcluir
  9. Confesso, adorei Top Gun especialmente pelo sorriso do Tom Cruise, porque nos combates aéreos me perdi inteirinha... Eu não sabia se eram os mocinhos ou os aviões inimigos a estarem em vantagem.

    Como sempre, suas indicações instigam minha curiosidade.
    Beijos, meu caro cinéfilo.

    ResponderExcluir
  10. Mais um filme para minha lista. Menino, você consegue nos prender a atenção. Parabéns!!!!!! Adorei a imagem da praia, sol, areia, e duas cadeiras para celebrar a vida. Mil beijos

    ResponderExcluir
  11. Leonel passando para te dixar votos de boa semana!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  12. Tenta outra vez no Relicário, Leonel. Estava com esse problema no Inquietude e, por conselho de Rodolfo, mudei a configuração dos comentários.

    Obrigada por avisar.
    Beijo e boa semana.

    ResponderExcluir
  13. É verdade que as cenas são de arrepiar, e que as exceções são aquelas que mostram a destruição dos aviões (claro, ninguém ia detonar um Mirage sõ por causa dum filme!). Eu possuo uma cópia que fiz do filme quando peguei na locadora, e gosto dele. Apesar do entusiasmo da revista Asas (que noticiou na época o lançamento do filme), acho que a diferença principal está mesmo nas cenas e nas paisagens mais variadas: mar, montanha, deserto, Paris etc. Digna de nota é a aparição de um F4U Corsair na cena de strip-tease... Mas deve-se dizer que, assim como ocorreu com Top Gun, as cenas de combate são irreais: são feitas assim, de pertinho, apenas para ficar bonito na telona.

    ResponderExcluir
  14. Paulo Pereira, cenas irreais...???
    Assista o making of no http://www.youtube.com/watch?v=fRJkO0K4Y2k e veja eles colocando câmera de película de cinema dentro de um tanque auxiliar de um mirage.
    Para não perder muito tempo, vá logo para o tempo 2:40 e você verá a câmera dentro de um globo de estabilização...!!!

    ResponderExcluir
  15. Quando disse irreais, eu me referia ao fato de que o combate aéreo há muito é feito a longas distâncias; somente em último caso se apela para o combate aproximado, como se via em Top Gun e neste filme francês. Mas eu não especifiquei isso no meu texto, daí ficou como se eu dissesse que a filmagem era armação... Mas é claro que sei que não. Nesse ponto, o filme supera bastante, como eu disse, o Top Gun.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O combate aéreo atual pode ser realizado além do alcance visual dos pilotos, com mísseis orientados por radar e aeronaves AWACS, e esta é a primeira opção.
      A distância de engajamento aumenta na mesma proporção que os mísseis e avionicos são aperfeiçoados.
      Mas, num filme, não teria muito graça, por isto foram criadas situações que permitiram as cenas de dogfight.
      No filme TOP GUN, tem uma cena onde aparece o F-14 sendo alvejado com uma metralhadora giratória exposta, provavelmente do tipo montado em helicópteros ou canhoneiras AC-130!
      Num caça, essas armas ficam embutidas na fuselagem!
      Essa foi apenas uma das falhas do filme...
      Obrigado pelo comentário, Paulo!
      Abraços!

      Excluir
    2. Não notei esse pormenor em Top Gun... Como tenho o filme em casa, da próxima vez que assistir vou prestar atenção na parte do F-14 sendo alvejado.

      Excluir