FRASE:

FRASE:

"Se deres um peixe a um homem, vais alimenta-lo por um dia; se o ensinares a pescar, vais alimenta-lo a vida toda."

(Lao-Tsé, filósofo chinês do séc. IV a.c.)

sábado, 19 de outubro de 2013

O PRIMEIRO CONTATO

No conto de Arthur C. Clarke A SENTINELA (*), de 1948, uma expedição à Lua, em 1996, descobre meio enterrada na poeira lunar, uma estrutura piramidal cercada por um campo de força, presumivelmente colocada ali há talvez milhares de anos antes da existência de nossa civilização por visitantes extraterrestres.

Após muitos esforços, usando detonações nucleares, os homens conseguem romper a proteção, mas isto faz com que o objeto emita uma transmissão endereçada aos confins do espaço, supostamente para avisar aos construtores que os humanos finalmente haviam conseguido sair do seu planeta. O conto termina com a expectativa de que os visitantes voltarão para fazer contato com nossa civilização. Mas expressa um temor:

“Os que estavam na escuta certamente voltarão suas mentes para a Terra. Talvez desejem auxiliar nossa jovem civilização. Devem, no entanto, ser muito, muito velhos e, frequentemente, os velhos têm uma inveja insana dos jovens.”

O temor do primeiro contato é explicável: basta observar aqui mesmo na Terra, o que aconteceu quando civilizações tecnologicamente mais avançadas fizeram contato com nativos. Principalmente no continente americano, os europeus, mesmo sendo bem recebidos, se revelaram arrogantes e gananciosos, saqueando até as últimas riquezas dos nativos, banindo as “heresias” representadas por suas culturas, obrigando-os a se converterem às suas religiões, escravizando-os e finalmente exterminando-os por guerras ou pelas doenças que trouxeram, ou até mesmo dizimando suas fontes de alimentação, como fizeram os colonos com os búfalos da América do Norte.

Assim, se as culturas tecnologicamente mais avançadas se comportarem da mesma forma que nós, só teremos a temer deste primeiro contato.

Extraterrestres se preocupariam com nossos princípios morais e éticos? Talvez tenham princípios completamente diferentes...
 

Talvez por isto, os governos das principais potências se mostram tão reservados quando o assunto são OVNI (objetos voadores não-identificados) e supostos contatos com seres extraterrestres. Do ponto de vista militar, é uma clara situação de impotência se admitir que naves alienígenas possam cruzar o espaço aéreo de uma nação a seu bel-prazer, sem serem interceptados nem identificados.

Do ponto de vista político, parece evidente que alguém capaz de vencer distâncias intergalácticas pouco se importará com problemas desta natureza. Outro aspecto que tem que ser levado em conta é o pânico que a presença de alienígenas poderia causar na população e de que forma isto pode influenciar suas crenças e princípios morais. Será que seres tão diferentes seguem alguma regra de conduta que os impeça de nos ver apenas como um rebanho de animais a ser estudado ou dissecado? Quererão levar alguns espécimes para seu zoológico espacial? Ou nos utilizar para pesquisas, como fazemos com alguns animais do nosso próprio mundo?

A curiosidade sobre alienígenas é grande...Mas, será que vale mesmo a pena encontra-los, ou melhor, ser encontrado por eles?

Afinal, eles também poderiam ser também mais evoluídos na arte da convivência, como os humanos tentam ser há tanto tempo. Neste caso, seriam os “ETs bonzinhos” como aquele do filme de Steven Spielberg. Poderiam nos ensinar muita coisa...

Interessante que, para cada filme ou história de ET camarada existem uns dez (ou mais?) de alienígenas vampirescos, que exterminam de forma sistemática e buscam ocupar nosso planeta para criar sua colônia, ou estão atrás de recursos como água ou oxigênio, abundantes em nosso planeta.

Em algumas destas histórias, os visitantes devastam sem nenhuma explicação ou diálogo, e a princípio, os terráqueos parecem não ter a menor chance. Depois, de alguma forma ilógica e fantasiosa, conseguem derrotar os alienígenas e suas tecnologias mais avançadas, usando apenas nossas armas rudimentares e alguma criatividade.

Uma civilização tecnologicamente mais avançada poderia arrasar nosso planeta sem mesmo pisar nele. Mas, por que faria isto?
 
Mas, examinando a história de nosso planeta, podemos constatar que as civilizações mais adiantadas tecnologicamente sempre subjugaram as mais rudimentares.
Nossa maior esperança é a de que os ETs sejam bem diferentes de nós, e mais avançados também na filosofia e no conceito de preservação da criação.

Afinal, mesmo se um pequeno percentual dos incontáveis relatos de avistamentos de OVNI forem autênticos, isto mostraria outra alternativa: os visitantes querem apenas observar, sem interferir, da mesma forma que os humanos observadores da vida selvagem terrestre e aquática, que filmam, tiram fotos e colocam rastreadores em animais apenas para conhecer seus hábitos.

Oremos para que os alienígenas sejam bem menos gananciosos do que os humanos comuns e se comportem como os naturalistas e ecologistas...
__________________________________________________

(*) Alguns anos depois da publicação nos EUA do conto A SENTINELA, Arthur C. Clarke recebeu um convite para desenvolver a história como argumento para um filme. Daí se originou o lendário 2001: UMA ODISSÉIA NO ESPAÇO (1968), um filme que virou cult para os fãs da ficção científica. O conto original foi publicado nos EUA em 1951 pela Avon Periodicals Inc., e no Brasil em 1978, na coletânea SOBRE O TEMPO E AS ESTRELAS, da Editora Nova Fronteira.

12 comentários:

  1. Poxa! Escrevi um tanto e meu PC se rebelou. Mas basicamente eu disse que, é claro que os humanos criariam em sua ficção alienígenas malvadões, se contrapondo com a bondade infinita dos seres da terra, né?
    E eu, sinceramente, quero que se demore muito esse dia de caminhar numa calçada qualquer e me deparar com um ET carregado numa bicicleta, sussurrando "caaasa".

    Um beijo, querido Leonel, divagador dos bons!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gostei de " a bondade infinita dos seres da Terra"...
      Se os cachorrinhos libertados da Royal pudessem opinar...Kkkkkk!
      Bjs, Milene!

      Excluir
  2. Há quem diga que esse contato já é rotineiro... quem sabe?
    Abraços.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Alguns dizem que há séculos...
      Abraços, amigo!

      Excluir
  3. Pois eu bem queria ter um contato! Mas só se forem bonzinhos e bem mais evoluídos que nós, Quem sabe assim não deixamos de nos apresentar com "seres superiores". Esse final de semana me lembrei de vc: fui assistir o filme Gravidade.Já viu?
    Beijuuss amaaado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se forem realmente evoluídos, meu palpite é que devem ser, no mínimo, indiferentes, ou apenas curiosos...
      Ainda não vi Gravidade, mas está na lista, parece muito bom...
      Bjs, Rê!

      Excluir
  4. Ola, falando em Arthur Clarke ,é um dos autores de livros dos quais meu marido já teve o prazer de ler na sua maioria,e classificando-o de visionário,execêntrico e grande escritor no genêro. Eu ,bem mais modesta nas artes literárias,assisti na época o inesquecível filme "ET" ,e pra dizer a verdade nem bonzinho ,nem mauzinho,gostaria de encontrá-lo em nenhum lugar.Uma boa noite ,doces sonhos com fadas madrinhas e meu grande abraço.SU

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para mim, Arthur C. Clarke foi talvez o maior escritor de ficção-científica do século passado. Ele era consultor da NASA e previu o uso de satélites artificiais para diversas finalidades.
      Eu, quando era criança, morria de medo dos ETs...
      Abraços, Suze!

      Excluir
  5. OI LEONEL!
    POIS É...
    COMO DIZ O VELHO DITADO, QUE "ONDE HÁ FUMAÇA HÁ FOGO", MAS, DEIXO PRA LÁ, NÃO QUERO ME DEPARAR COM UM DELES NA RUA.
    MUITO INTRIGANTE TEU TEXTO.
    ABRÇS
    http://zilanicelia.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Onde há fumaça, há fogo...ou já houve!
      Abraços, Zilani!

      Excluir
  6. Saudações amigo e comandante Leonel,
    penso que seja uma pena que parte considerável destas produções cinematográficas (e da TV) mostre os extraterrestres como invasores maus. Será assim mesmo? Sobre esta questão Richard Simonetti faz interessante reflexão:

    “Se um dia recebermos a visita de seres extraterrestres, certamente suas intenções não serão belicosas. A tecnologia necessária para vencer grandes distâncias e os problemas decorrentes, somente será alcançada por civilizações em alto estágio de desenvolvimento intelectual, o que fatalmente se fará acompanhar pelo desenvolvimento moral. Banida estará dessas civilizações a ambição de poder e domínio que caracterizam a inferioridade humana.”

    Grande abraço, saúde, paz interior e que "a força esteja com você", rsrsrsrs.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Esperemos que as otimistas suposições de Simonetti estejam certas...
      De uma certa forma, faz sentido.
      Grande abraço, saúde, paz e prosperidade, mestre Milton!

      Excluir